Tireoidite de Hashimoto: como tratar esta doença autoimune

Tireoide de Hashimoto também conhecida como tireoide linfocítica crônica é uma doença autoimune. Causada pela inflamação da tireoide, onde o organismo fabrica anticorpos contra as células desta glândula, provocando a destruição ou reduzindo sua atividade.

A tireoide tem a função de produzir hormônios que regulam o funcionamento de grande parte das células do corpo. O hipotireoidismo é a incapacidade que esta glândula tem em produzir os hormônios T4 e T3 na quantidade necessária em que o corpo precisa.

Na maioria dos casos, a doença começa com um aumento indolor da tireoide, e por isso, apenas um exame de rotina é capaz de identifica-lo.

Sintomas da Tireoide de Hashimoto

Os sintomas são comuns dos casos de hipotireoidismo:

– Cansaço;

– Depressão; 

– Pele seca e palidez;

– Prisão de ventre;

– Diminuição da frequência cardíaca;

– Diminuição do apetite;

– Sonolência;

– Câimbras;

– Ganho de peso;

– Dores musculares e nas articulações;

– Inchaço no pescoço, no local da tireoide;

– Cabelos e unhas mais fracos.

Diagnóstico

A melhor forma de se chegar ao diagnóstico correto é realizando junto à um endocrinologista o exame de sangue que avalia a quantidade dos hormônios tireoidianos T3 e T4, do hormônio TSH produzido pela hipófise e a presença de anticorpos antitireoide.

Em caso de alterações durante a palpação da tireoide, seu médico irá solicitar um exame de ultrassom da glândula para avaliação. 

Causas da tireoide

O surgimento da Tireoide de Hashimoto pode estar relacionado a fatores, como:

– Meia idade: entre 30 e 50 anos de idade, onde ocorre mais comumente. 

– Sexo feminino: mulheres são mais propensas a desenvolver a doença de Hashimoto;

– Genética: casos de hipotireoidismo ou hipertireoidismo na família

– Doenças autoimunes: como artrite reumatoide, lúpus, vitiligo e diabetes tipo 1.

– Exposição à radiação: pessoas expostas a níveis excessivos de radiação ambiental.

Tratamento

O tratamento mais recomendado é feito através do uso da medicação chamada levotiroxina, que é usada para repor a quantidade necessária de hormônio que o corpo necessita durante o dia. A dosagem varia de acordo com o grau de deficiência na produção deste hormônio, por isso, deve ser recomendado por um médico.

Uma dieta saudável deve ser aliada ao tratamento, através de alimentos ricos em nutrientes que auxiliam na formação de hormônios da tireoide e em sua atuação no organismo, como:

– Iodo: peixes do mar, algas marinhas, camarão, ovos.

– Zinco: ostras, carne, sementes de abóbora, feijão, amêndoa e amendoim.

– Selênio: castanha-do-pará, farinha de trigo, pão.

– Ômega-3: abacate, óleo de linhaça e peixes ricos em gorduras como salmão, sardinha e atum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *