Tipos de insulina e seus princípios de administração

Dois tipos de insulina  são utilizados no tratamento do Diabetes, a fim de controlar a glicose no sangue.

Quando o paciente é diagnosticado diabético, na maioria dos casos, a única forma de controle é a insulinoterapia. Neste caso, é muito importante que os pacientes sejam muito bem orientados sobre vários aspectos.

Apesar dos avanços tecnológicos recentes, muitas informações ainda são desconhecidas, como local a ser aplicada, tipos de agulha e cuidados na aplicação.

Por isso, montamos um guia completo com as informações que podem ajudar a esclarecer algumas dúvidas sobre a insulina.

Tipos de insulina

Antes de tudo, é importante entender que há duas categorias de insulina: as insulinas basais e as insulinas prandiais.

A função de cada um destes tipos é diferente.

Todos os pacientes com Diabetes do Tipo 1 necessitam dos dois tipos. Alguns pacientes com Diabetes do Tipo 2 também podem precisar de insulina e, neste caso, podem usar somente as insulinas basais.

Veja no quadro abaixo quais são os tipos de insulina (as insulinas estão listadas segundo os nomes farmacológicos, ou “genéricos”, em ordem alfabética).

As insulinas podem vir em frascos, geralmente de 10 ml, contendo ao todo 1.000 unidades de insulina.

Neste caso, a insulina precisa ser retirada do frasco com uma seringa, e aplicada diretamente no paciente.

A insulina também pode vir no formato de caneta. A caneta pode ser descartável ou reutilizável. No último caso, quando a insulina acabar, a pessoa precisa obter o cartucho para reposição.

Administração da insulina

Agora que você conhece os tipos de insulina, é hora de entender todas as peculiaridades da administração deste medicamento.

Como armazenar

As insulinas devem ser acondicionadas em temperaturas de 2 a 30ºC.

Portanto, podem ser armazenadas na geladeira, embora isso não seja obrigatório. Se optar por deixá-las refrigeradas, elas devem ser colocadas nas partes mais baixas da geladeira,  como na prateleira acima da gaveta dos legumes. Jamais guarde a insulina na porta da geladeira.

A insulina pode, também, ser armazenada em um local seco e protegido da casa.

Validade

As insulinas devem ser utilizadas até o máximo de 30 dias depois de abertas.

Em alguns casos específicos, o fabricante identifica uma duração maior. Por isso, consulte sempre a bula e esclareça as dúvidas com o seu médico.

Como aplicar

Apesar de muitas pessoas acreditarem que é preciso higienizar a área de aplicação com álcool, isso não é necessário. Mas o local deve, sim, estar limpo e seco.

Se você, ainda assim, optar por utilizar o álcool, seque bem o local antes da aplicação. O álcool pode reagir com a ponta de silicone da seringa (que é microscópica) e aumentar a dor no local de aplicação.

A insulina deve ser aplicada no tecido subcutâneo, abaixo da pele. Recomenda-se agulhas de 4, 5 ou 6 mm no máximo.

Agulhas de 8 e 12 mm são muito compridas e, quando utilizadas, o risco de aplicar o medicamento no tecido muscular é maior. Por isso, caso você utilize agulhas deste tamanho, é preciso fazer a prega cutânea, garantindo a aplicação da insulina no local correto.

É fundamental, também, que você faça o rodízio dos locais de aplicação.

Os locais mais recomendados são o abdômen (barriga), as coxas e os braços.

É comum os pacientes aplicarem somente ao redor do umbigo. No entanto, isso pode levar a um acúmulo de gordura localizada nesta região, chamada de lipo-hipertrofia. Esse aparecimento de “caroços” podem diminuir a eficácia do fármaco.

Não reutilize agulhas!

A reutilização de agulhas também pode causar a lipo-hipertrofia.

As agulhas para canetas e seringas são descartáveis, feitas para uma única utilização. Estudos mostram que utilizar a agulha por mais de três aplicações pode provocar lipo-hipertrofia, além de aumentar a dor e o desconforto na aplicação.

Conclusão

Essas informações são muito importantes para o seu entendimento, mas não substituem a consulta com seu médico.

Para a correta escolha da melhor insulina, é necessário avaliar caso a caso, conforme suas peculiaridades.

Consultar um endocrinologista é muito importante para o total controle da glicemia.

Agende seu check-up Diabetes e tire todas as suas dúvidas conosco!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *